Handebol masculino conquista vitória histórica no Rio

Renata Rondini
Do Rio de Janeiro

Jogar diante de mais de 10 mil pessoas, com uma torcida eufórica e empurrando a todo momento, não é rotina para time brasileiro de handebol masculino. Portanto, vencer pela primeira vez uma seleção europeia em Olimpíada e com as arquibancadas lotadas da Arena Futuro apoiando tem um peso enorme para os atletas. Na tarde deste domingo, o Brasil bateu a Polônia por 34 a 32 em sua estreia nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Nos últimos anos, a atenção restrita da mídia ao esporte se voltou praticamente ao time feminino que foi campeão mundial em 2013. Contudo, esta falta de visibilidade, neste momento, é visto com bons olhos pelo técnico Jordi Romans. “Para nós está tranquilo que falem mais das meninas e que continue assim. E foi bom os dois times começarem a Olimpíada com vitória. Foi uma vitória importante hoje, mas é só um passo, temos muitos outros pela frente”. O treinador sempre deixou claro que uma classificação para a fase decisiva é o primeiro objetivo do handebol masculino e será preciso muito empenho para atingir a meta uma vez que há times com tradição no handebol na briga. Na próxima terça-feira, o Brasil encara a Eslovênia, às 16h40, na Arena Futuro do Parque Olímpico. No grupo B ainda estão Alemanha, Egito e Suécia. Os quatro primeiros se classificam.

O ponta direito do Brasil Fábio Chiuffa destacou a importância de atuar diante da torcida brasileira e quanta esta realidade diferente do que estão acostumados mexe com o time. “Entramos muito bem no ataque e defesa, conseguimos furar a defesa deles. Jogamos bem do começo ao fim. E a torcida veio, apoiou demais e sem dúvida a galera foi um oitavo jogador. Isto empurrou a gente para frente, foi uma sensação inexplicável. E sem dúvida pode ser um diferencial, até pelo nosso estilo de jogar sempre vibrante”, comentou.

A derrota para a seleção brasileira não foi bem aceita pela mídia polonesa que questionou se o clima da torcida verde e amarelo teria feito a diferença. Bastante direto, o técnico da Polônia Talant Dujshebaev elogiou a performance brasileira, criticou seu ataque e destacou a experiência internacional de seus atletas. “Jogamos dentro e fora de casa tantas vezes, não importa o clima favorável ao Brasil. Temos que corrigir nossos erros para o próximo jogo.”